segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

Dilema

Ter uma encomenda que tanto ansiava pela chegada e agora que me ligaram para a entrega, só me apetece devolvê-la.

Ai a minha p*** da minha vida.

Só me apetece

gritar por socooooooorrrrrrroooooooo....

Isto no meu trabalho vai de mal a pior.

Medos

Quando te deparas cara a cara com um medo que sempre tiveste, mas com o qual nunca tiveste de lidar é difícil.

Os medos devem ser encarados de frente, devem ser "agarrados pelos cornos". Mas, aqueles medos, mesmo assustadores fazem com que nos enfiemos debaixo dos lençóis, à espera que passem sem nos ver.

Este meu medo já me viu e estou a senti-lo na pele. Estou a tentar acabar com ele, mas pode demorar tempo a derrotá-lo.

Malditos Medos!!!

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

A saga do Metro em Lisboa

Chegar à estação do metro e constatar que existem perturbações, sendo a espera é superior ao normal, é a maneira ideal de começar o dia.

Primeiro, cumpre esclarecer que, nos tempos que correm, "tempo normal" de espera não se sabe bem qual é. O que nos permite ficar na dúvida e criar uma certa expectativa na espera. O que é bastante animador!!!

Depois de cerca de 20 minutos de espera,lá aparece o tão desejado metro, à pinha está claro. Logo, entrar foi impossível, pelo menos para mim.

Na estação onde estava, um casal de amblíopes, com as suas três filhas desesperava. Duas das miúdas já iam chegar atrasadas à escola. Quando o metro chegou, o desespero foi tal, que "atiraram" as duas miúdas para dentro do metro. Uma senhora, que já lá vinha agarrou nas miúdas, a porta fechou e lá foram elas. Os pais e a outra irmã, apeados na estação ficaram.

Mais uns quantos minutos de espera e lá apareceu outro metro, olhei para as horas e pensei que a minha única opção era entrar... Mais uma vez os amblíopes tentaram entrar, mais uma vez fracassaram na sua tentativa. E, ainda alguém das entranhas da carruagem disse, "É melhor esperarem pelo outro, este vai muito cheio!!!". E lá ficaram mais uma vez, como que abandonados, e eu esmagada contra a porta, lá os vi desanimados na plataforma a ouvir desaparecer...

Para melhorar a coisa, na estação seguinte, entra um "ogre" com a filha que quase me espeta uma cotovelada na cara e, ainda, com a roupa a tresandar a comida àquela ora da manhã, se cola a mim como se fosse uma lapa... Melhor não podia ser.

Ainda querem que as pessoas utilizem mais os transportes públicos. A julgar pela qualidade do serviço... Vale mais andar a pé.

P.S.: já estivemos mais longe da realidade do metropolitano japonês... Com um senhor a "empurrar" as pessoas para dentro do metro para as portas poderem fechar.